Grão de areia

Foto de Arnault L. D.

Como posso o tempo perder
se este não me pertence?
Apenas por ele me movimento,
sem a ele poder conter,
sem importar com que pense.
O ar me sopra qual vento.

Feito o verde mar, gigante,
e eu sendo apenas um peixe
que cruza as águas desatento.
O tempo engloba-me adiante...
Como posso o mar perder? Deixe...
Indifere correr, ou passar lento.

Se diz que eu perco meu tempo,
realmente não me importa.
Apenas colho o que dele transpasso,
não tenho como fazer um cerco
se é ele que me comporta...
Ele é mar, é ar... ele fica, eu passo.