Irmãos em poesia

Foto de Arnault L. D.

O poema pode ser dito inédito,
mas, não se engane, ele não é novo.
Os temas são os mesmos a todo povo
e não há páginas para tanto crédito.

Tudo que falei, a muito foi dito,
do hieróglifo na pedra, ao computador.
Desde lá o amor rimou com flor e dor;
no salmo do santo, ao sabá do maldito...

A lágrima a muito tempo já molhou
e as juras, algumas foram cumpridas,
cartas chegaram e extraviaram não lidas,
qual aquele velho e-mail que enviou.

Penso onde estará o outro poeta,
que me emprestou aquele mesmo tema.
E que viveu a mesma cina e dilema
de tentar transpor o que a pele afeta.

Deve ter sido apaixonado e sonhador,
em seu tempo total contemporâneo.
Diferente de mim, de ar subterrâneo,
deslocado, antiquado, apaixonado sonhador...

Me pergunto, como igual ser diferente?
A mesma palavra noutra boca, um embuste.
Tantas milhas e cada luz em seu poste,
iguais em tudo e o todo é diferente.

Não compreendo onde está a poesia,
sei que se repete, mas não em palavras,
embora o peito saiba onde estão as lavras
não me revela, talvez n'alma seria...

Paralela parceria de futuro e nostalgia
dos poetas que não se sabem irmãos,
mas, que nas linhas sinuosas de suas mãos
“Escreveu” versos que o mútuo plagia.

Comentários

4
Foto de Alvaro Sertano

Convite:
CLUBE DE POETAS VIRTUAIS INDEPENDENTES
http://alvarosertanoemarylife.ning.com/ Dê-nos a Honra!

Foto de Arnault L. D.

Obrigado pelo convite Alvaro, sinto-me honrado
pela menção...
Do irmão em poesia : Arnault

Foto de Graciele Gessner

Chega um momento em que a poesia não se torna uma companhia.
Talvez, em muitos casos não exista irmãos de poesia...

Abraços graciosos,
Graciele Gessner.

Graciele Gessner.

Foto de Arnault L. D.

Tem razão Graciele, as idéias são bem maiores que o pensador, e a poesia ao poeta. Ela não é uma companhia constante porque ela pode voar...
Mas, é como soltar passarinhos, eles alegram a quem os soltam com sua liberdade. Embora que quem os solte continue no chão.
E você tem soltado lindos pássaros.
Arnault