Frases e Citações
Foto de Carlos

Ah! Minha Dinamene! (LuÍs de Camões)

Ah! Minha Dinamene! Assim deixaste

quem não deixara nunca de querer-te!

Ah! Ninfa minha, já não posso ver-te,

tão asinha esta vida desprezaste

Foto de Carlos

À Cantora Tarabe (Ibne Amar)

A minha alma adora-te mesmo se a torturas

e uma alegria a excita para ir ao teu encontro.

Foto de Carlos

Este Inferno de Amar (Almeida Garrett)

Este inferno de amar - como eu amo!

Quem mo pôs aqui na alma...quem foi?

Esta chama que alenta e consome,

que é a vida - e que a vida destrói -

Como é que se veio atear,

Quando - ai quando se há-de ela apagar?

Foto de Carlos

Em Maneira de Provençal (D. Diniz)

Quer' eu em maneira de provençal

fazer agora um cantar de amor

e quererei muit' i louvar mia senhor,

a que prez não formosura não fal

nem bondade, e mais vos direi en:

tanto a fez Deus comprida de bem

que mais que todalas do mundo val.

Foto de Carlos

Amor vivo (Antero de Quental)

Amar! Mas dum amor que tenha vida...

Não sejam sempre tímidos harpejos,

não sejam só delírios e desejos

duma doida cabeça escandecida...

Foto de Carlos

O céu, a terra, o vento sossegado... (Luís de Camões)

O céu, a terra, o vento sossegado...

As ondas que se estendem pela areia...

Os peixes, que no mar o sono enfreia...

O nocturno silêncio repousado...

Foto de Carlos

Evocação de Silves (Mohâmede Ibne Abade Al Mu'tâmide)

Eia, Abú Bacre, saúda os meus lares em Silves e pergunta-lhes

se, como penso, ainda se recordam de mim.

Foto de Carlos

Us Cavaliers si Jazia (Um Cavaleiro deitado estava) (Bertran d'Alamanon)

Us Cacavaliers si jazia

ab la re que plus volia.

Soven baizan li dizia

"Doussa res, ieu que farai?

Que'l jorn ve e la nueyetz vai.

Ai!

Qu'ieu aug que li gaita cria:

Via sus! Qu'ieu vey lo jorn venir

Apres l'alba.

Foto de Patrícia

Visita (Antero de Quental)

Adornou o meu quarto a flor do cardo,

Perfumei-o de almíscar rescendente;

Vesti-me com a púrpura fulgente,

Ensaiando meus cantos, como um bardo.

Foto de Patrícia

Rosa Pálida (Almeida Garrett)

Rosa pálida, em meu seio

Vem querida, sem receio

Esconder a aflita cor.

Ai! a minha pobre rosa!

Cuida que é menos formosa

Porque desbotou de amor.

Páginas

Subscrever Poemas de Amor RSS