Eu, o Poder!

Foto de Carmen Lúcia

Cala-te, poeta!
Teus sonhos altruístas e liberais,
Ameaçam os meus, consumistas e colossais;
Tuas atitudes certas imbuem-se de gritos de alerta
Às minhas, duvidosas e incorretas...
Teus vôos inusitados e abrangentes
Podem estimular muita gente
A quebrar correntes...Liberdade aparente!
Vôos incoerentes a uma inverdade existente.
A luz que irradias, ameaça clarear caminhos,
Que quero manter em vão...na escuridão.
Tua essência põe em risco toda a abordagem da embalagem,
Roubando-me a prepotência, a persistência...
O teu lirismo contagiante carrega multidão adiante,
Mudando seu pensar...
E eu não quero vê-la dissipar.
Tua poesia é como um escudo salvador,
Livrando-te a alma do poder avassalador...
Tua sensibilidade me acovarda, me amedronta
Ao quebrar o gelo da sociedade que me afronta...
Teus anseios pelo fim das desigualdades
Ferem meu egocentrismo, minha vaidade...

Enfim, cala-te, poeta!
Não destruas meus castelos construídos
Pelo suor, sangue e dor
De um povo pacato e sonhador!

(Carmen Lúcia)

Comentários

2
Foto de Vanya

Forte e lindo;
Muito lindo parabéns

Vanya.Assunção

Foto de Carmen Lúcia

Obrigada por seu comentário, querida!
Um grande beijo!

Carmen

Carmen Lúcia