Hoje

Foto de Rosamares da Maia

SÓ MULHERES

Só Mulheres

Transitam por vezes em anônimos rostos,
Seus espíritos em dimensões transitórias.
São estrelas de rotas improváveis, invisíveis,
Deixam seus rastros, perfumes e venenos,
Misturados, todos na mesma taça,
Sensualidade e beleza em situação fugitiva,
Vidas intransitivas e de magias eternas.
Mulheres, anônimas feiticeiras do cotidiano,
Somos mães, irmãs, tias, avós... amantes.
Profissionais, vidas singulares, nada fácil,
Todas de fascínio comuns e contraditórios.

Mulheres que hoje tomam o traço nas mãos,
Erguem a cabeça e veem além do horizonte.
Escrevam, reinventem a luta e a trajetória,
Contem a história que vocês quiserem contar.
Na taça, misturem os perfumes e os venenos.
Desenhem com firmeza os próximos passos.
Como rosas dos ventos, determinem a direção,
Estabeleçam rumos, o caminho não está perdido.
Demarquem com traços cartesianos o espaço.
Somos as feiticeiras do cotidiano, nós existimos
Multiplicamos, nós pensamos, ... realizamos

Rosamares da Maia

Foto de José Herménio Valério Gomes

FRAGMENTOS DE UM SORRISO

Vestida de único Amor
Num corpo de poema
Sorriso de uma flor
Que num baile-vento acena

Acreditou no jogo adolescente
Traída pelo desejo ingênuo
De ser amada continuamente
Necessitando esquecer aquele inverno

Trocando de volta os sentimentos
A que tão errado se entregou
Perdendo-se num leve momento
Para sempre da verdade que amou

Hoje,ainda restam laivos na memória
Das trocas de dedos e olhares fitos
Que se amaram noutra história
E adormece agora num livro

A felicidade não a abandonou
Mas a vida deu-lhe outro curso
Como ela nunca o imaginou
Conter num coração adulto

Hoje ela vê as noites divergentes
Sem os mesmos dias floridos
O seu final feliz está ausente
Mas algures em fragmentos no seu sorriso...

zehervago

Foto de José Herménio Valério Gomes

UM REGRESSO PREMEDITADO

Estou de regresso na rua de todos
Para trocar impressões recusadas
Onde o incêndio se apaga com fogo
Abandonando reflexões na madrugada

O que tanto e demais amaria
Priva-me de beijar esta vontade
De estar de volta mais que um dia
Para viajar a minha cidade

Hoje de olhos sóbrios,nela
Parte de mim já não vive ali
E quero estar um pouco mais por ela
Desfolhar as suas ruas até ao jardim

Procurar uma resposta
Com quem formalizo o assunto
Que foi?quem fez tal aposta?
Que a deixou tão de luto

Pois sei que ao abrir a sua porta
Este reencontro me vai magoar
O povo até nem se importa
De como grande é o homem a chorar

Sou pois,aquele modo pausa-parou
Que não vai nunca esquecer
Como ela me olhava-amou
Sorrindo para eu não perceber

E quando de volta à taberna das emoções
Me embriagava num dilúvio
Escrevia esboços das recordações
Até desmaiar sem menor ruído

Acordando em aplausos por algo escrito
Que eu acho muito imérito de mim
Porque me vesti nas roupas de Cristo
Nos desenhos de uma dôr tão grande assim

As pessoas vão gostando de como escrevo
Há sempre algo que nos une sempre
Serei de todas as palavras um servo
Sem nunca ficar indiferente

Pois sou do tempo da lavoura
Anos que nunca esqueci
Infância na minha vila de Moura
Mesmo se breve,eternamente feliz....

zehervago

Foto de José Herménio Valério Gomes

O BEM DISSIMULADO

Numa idade de águas doces
Alimentava-me de meros sonhos
Todos os meus dias eram um hoje
Acordados em erros e medronho

Ao som dobre da Igreja
As crianças brincam às escondidas
Á luz de uma vela acesa
Numa casa de cartāo esquecida

E é ao voltar de qualquer rua
Que acredito ter sede de viver
Prostrado face à lua
Porque nas horas de sol desisto de ver

O tempo vai ditando-me quem sou
Deixando-me pensar, ser um livro
Que pleno de tristeza alguém negou
As páginas que eu persigo

Adicionando-me à loucura
Numa avenida sem árvores
Onde os homens amam às escuras
Acreditando voar como as aves

E quando chove lá fora
Tudo fica tāo húmido no meu conforto
O que foi dignidade vai embora
E este dia de natal ,nāo tem rosto...

zehervago 02/07/2020

Foto de Helder Duarte

Minha mulher

O amor conjugal

Flor do meu campo és
Tu minha irmã do jardim,
Onde nasceste naquele dia enfim!

Onde ambos fomos formados,
à imagem de pessoas três.

Por ele fomos amados,
E assim em amor criados.

Para estar no Éden jardim.
Do meu lado foste tomada,
Sim minha esposa amada.
A quem eu tanto amo,
E por ti tanto clamo.

Porque me és tão querida,
De valor tanto e tanta vida.

Tu mulher valorosa.
Mais rica és que o ouro,
Deste mundo inteiro sim.

Tu minha pomba branca,
A quem eu tanto adoro.

Estás sempre do meu lado.
Contigo minha alma canta.
A canção eterna assim...

De modo que os dois,
Vamos voando mais alto,
Que a terra de hoje.

Tu és linda como a rosa,
Da qual emana um perfume...

Naquele alto planalto. ..
E vais subindo, subindo...
Ao céu de uma forma maravilhosa.
Que a nós aos dois une.

Teu corpo e um navio,
Que em maravilhosas águas,
Nos leva às mais altas terras do amor,
Que neste mundo já se viu...

Sim tu flor da madrugada. ..
Mulher muito amada!

Foto de José Herménio Valério Gomes

PALAVRAS DOS PASSOS NA CHUVA

Enquanto jà chove na cidade
Acordo num dia como hoje
Onde viver serà a minha necessidade
Espremendo o remoto para mais longe.

Vou sair, vou desfolhar as ruas
Que escrevo nos meus passos
E que a chuva logo extenua
Ingénua,julgando achar devasso.

Mas estou dentro e sério
Quero que resulte em poema
Com um pouco de sabor a mistério
Libertando as palavras das suas algemas.

Perante o olhar ,daquele velho senhor
Arrumando os óculos no nariz
Sou bom-dia,Sou escritor
Observo e anoto o que ele me diz.

A sua idade contém fragmentos
De histórias, para sempre
E olhando o céu por momentos
Fala-me evocando vagamente.

De como criança e quis crescer
Dos planos, dos sonhos e o amor da sua vida
Citando um nome que nāo vai esquecer
Que me apresenta numa lágrima perdida.

Por segundos, mergulha o rosto nos joelhos
Para quem passa,está a meditar
Ele vasculha o tempo por conselho
Se de nada esqueceu para me contar.

Agora erguendo o rosto numa pressa lenta
Arrumando os óculos no nariz
A vida que viveu nāo se inventa
E está realizado e feliz.

Deixando-se dominar pela emoção
Chora uma criança nos meus braços
Apenas falam suas tremulas māos
Para continuar, escrevendo ruas com os meus passos...

zehervago

Foto de Barzissima

História sem fim

Fazem quase 20 anos...vinteeee anosssss....
Será que algum dia neste tempo eu deixei de te amar?!
Estou no momento falando com vc novamente pelo whatsapp.... maravilhas da tecnologia...naquela época não existia isso...
Eu te mandei convite no face, te mandei msg e soltei tudo que queria te falar...que sempre amei você...
Estou num relacionamento a quase 9 anos, tenho uma mocinha de quase 5 anos, uma anjinha no céu com quase 7 anos e mais dois tesouros do primeiro casamento.
Minha vida é relativamente boa. Mas ainda não consegui viver um amor verdadeiro, assim como eu penso que viveria com você...pode ser que viver com vc não seja o que eu penso, mas eu ainda continuo pensando nisso, insistentemente...
Eu escrevi cada coisa a vc estes dias...meu coração transborda de amor...
E eu não consigo viver da mesma maneira com a pessoa que estou hoje...

De 2011 até 2020 nós nos encontramos em outros 2 momentos, não me lembro o ano do primeiro, mas acho que foi em 2015/2016, pq já tinha perdido minha bebê e falei com vc sobre isso...
A outra vez foi em 2019...fui ao seu encontro...mas não tive coragem de trair meu marido, não fiz absolutamente nada...me comportei super bem... não quis arriscar...
E agora, novamente estamos nós conversando...
Meu deus do céu, quando isso terá fim será?!
Acho que nunca... Pode ser que minhas expectativas se frustrem no primeiro dia...pode ser que eu viva uma felicidade intensa que até hoje nunca vivi e sempre sonhei em viver... porque até hoje nunca consegui amar alguém de verdade, na prática... você está sempre lá, no lugar da pessoa...
Espero chegar em breve o dia de poder por a prova isso, mas sinceramente, não é possível que quase 20 anos depois que não seja o amor da vida, ou do resto dela...

Foto de carlos alberto soares

QUEM SABE

Vista assim de longe...
Sem desejo, sem posse sem toque
Ainda que não haja simbiose
Que um diga coisas que outro não aprove

Quero que seja feliz

O meu desejo é a felicidade
e transcende distância ou idade
de forma platônica a gente se entende
E invés de tocar a gente sente

Seja feliz em cada vez que se negue
ou em cada braço que se entregue
Na arrepio da pele que provoca o desejo proibido
ou no sentimento louco que precisa ser contido

Seja feliz que esta vida é breve
Só vive quem se atreve
Os sonhos que emanam do seu ser
Só você pode viver

Vá! Busque tudo que é seu
Hoje é o dia que Deus te concedeu
Entre tantas, te fez luz
E apenas por ser mulher já seduz

E entre lindas e tantas
Umas pecado, outras santas
Tem você e seus encantos
Que não tem alma... Nem de anjo,
nem de santo

E dando trâmites finais aos meus versos
Eu que sou um otimista confesso
Um lobo solitário e você de aquário
Assim ambos estranhos e pensamentos contrários

Quem sabe a distância dê lugar ao encontro
Os dois estejam prontos
E a introspecção se acabe
Quem sabe...

Foto de Dileno

Reflexão da vida vivida.

Eu já disse o que não quero dizer hoje? O espelho está empoeirado novamente e a cada cicatriz, uma mancha de vazio aumenta. É a única coisa que parece real. Você ja perdeu alguns segundos olhando pra fora de si? Enquanto você olha pra dentro, um reinado de sujeira encobre a paisagem, e você dobra mais uma esquina e se torna outro personagem. O relógio já está marcando meia noite, mas meus olhos continuam abertos. Se você descobrir a verdade, jogue-a fora. Não me venha falar de religiões, esportes, ou qualquer tipo de entretenimento... Eu já ofereci o meu mundo de impurezas. Talvez eu deveria ir para outro lugar, porém, outro caminho se abre a cada passo em falso, e eu machuco você de novo. Eu faria tudo da mesma forma, pois é a única maneira de eu me sentir vivo. Qual é a sua conclusão? Não quero ouvir coisas sobre moral, beleza, sistemas complexos, amor. O amor, o amor, guardem-o, sem correntes. Querem um servo voluntário? Quotidiano, repetitivo, casado, fútil? Querem que eu seja feliz dentro da sua caixa de mentiras? Querem que eu ganhe dinheiro, dinheiro. Querem que eu não sinta. Querem que eu seja o contrário também. Eu poderia mentir, mas já ouvi tudo que precisava ouvir. O que eu fui ontem? O sangue que se espalhou enquanto estava preso? A dor que trazia alívio? Ou as sombras que flutuam com o tempo perdido? Você diz coisas bonitas além da minha frágil compreensão. O universo, a ciência, a metafísica... E eu aceito por instante o que me destes, mas todos vão embora quando os sorrisos cessam. Só o peso do silêncio permanece comigo. E a dor continua presente nas manchas do tempo enquanto o fim se aproxima a cada corte profundo.Já disse que quero ser sozinho? Já disse que não quero que me dê a mão? Se eu pudesse me arrepender, ah, se eu pudesse começar novamente, eu faria da mesma forma. Eu encontraria outro caminho...

Foto de carlos alberto soares

BRUMADINHO

Ela descia lamacenta
Forte e lenta
Destruindo tudo em frente
Em sua volúpia demente

Matava gente
Que inocente matava a mata
Matava os bichos, que morriam com sua morte

Na matança
Provocada por ganância
Morriam sonhos como os meus
Morriam outros definhados por perderem entes seus

Descia dinheiro sujo,
Cujo custo mata o rio
Morre o peixe, morre a margem
Como é triste tal imagem

Morre eu, morre você, morre quem de fato morreu
Neste crime ambiental
Morrem eles de morte e morro eu de desalento

Morre quem falou e não foi ouvido
Morre também quem não escutou
Morre quem trabalhava pra buscar vida
Sem saber que levava morte

Morre o rio que eu amo
Sempre lá estava pescando
Já não tinha muito peixe
Por matarem suas águas

Morre a toca e a alegria em sua volta
Morre o dourado e o Surubim,
O piau e o mandi
O pacu e a piranha
Morrem por insaciável sanha

Morre aos poucos Brumadinho
Com a riqueza que vem das montanhas
Pouco a pouco... Semana a semana
Lhe arrancam as entranhas

Ironia do destino (será?)
O vale hoje é de morte
A morte é da Vale
Diante cifras a vida pouco vale

No choro que faz perder o sono
Choro o triste abandono
Da vida em favor do lucro
Onde a lama fez sepulcro

Chora Brumadinho, chora eu
Chora o mundo,
Choro de compaixão
Desce a lama pelo córrego do feijão
A riqueza retirada das montanhas
Se desfaz em cada queda
Que segue rumo a Paraopeba

E que Deus proteja Brumadinho e seu povo amado
Seu Rio, sua cultura e sua vida
Proteja o vale, destruído inconsequente pela vale
Deus tende piedade!

Páginas

Subscrever Hoje

anadolu yakası escort

bursa escort görükle escort bayan

bursa escort görükle escort

güvenilir bahis siteleri canlı bahis siteleri kaçak iddaa siteleri kaçak iddaa kaçak bahis siteleri perabet

görükle escort bursa eskort bayanlar bursa eskort bursa vip escort bursa elit escort escort vip escort alanya escort bayan antalya escort bayan bodrum escort

alanya transfer
alanya transfer
bursa kanalizasyon açma