Longe

Foto de LEOANDRADE

Abandono (Leonardo Andrade)

A tarde cai numa onda vermelha

Ao longe um solo de sax

lúgubre, triste, blues da tarde

O mar cor de chumbo parece resignado

Não tenta invadir a praia

Ondas arrastam-se preguiçosamente

Nunca transpondo o ponto anterior

cada vez a incidência é menor

a insistência desaparece ...

o cansaço impera...

Eu, mero reflexo da cena, ou vice-versa

não encontro mais forças para lutar

a noite que chega não me permitirá ver

para onde você foi.

a chuva que se anuncia

apagará todos os seus rastros

as nuvens impedirão as estrelas

de me guiar.

Você veio como uma brisa

de forma lenta e suave,

tomou-me por completo

e alojou-se no meu sangue

Agora se foi ... silenciosa,

último acto de quem já tinha partido,

não em palavras, mas em atitudes e sentimentos

que eu não quis enxergar...

Não adianta te procurar

se o que você quer é partir

se nossos caminhos são opostos

nosso encontro será numa trilha distante

em algum lugar do solo

desse planeta redondo

que nos suporta e nutre.

A música cessa

é hora de ir

Apenas caminhar e tentar seguir algum caminho,

qualquer caminho

que um dia cruzará o seu ...

Que nesse dia distante

mar e céu reflitam amor

não a dor e a solidão

desse momento ...

Leonardo Andrade

Foto de Carlos

Dinamene (Luís de Camões)

Ah! Minha Dinamene! Assim deixaste

Quem não deixara nunca de querer-te!

Ah! Ninfa minha, já não posso ver-te,

Tão asinha esta vida desprezaste!


Como já pera sempre te apartaste

De tão longe estava de perder-te?

Puderam estas ondas defender-te

Que não visses quem tanto magoaste?

Nem falar-te somente a dura Morte

Me deixou, que tão cedo o negro manto

em teus olhos, deitado consentiste!

Oh! Mar! oh Céu! oh minha escura sorte!

Que pena sentirei que valha tanto,

Que inda tenha por pouco viver tanto?

Luís de Camões (1524-1580)

Foto de Carlos

Ah! Minha Dinamene! (LuÍs de Camões)

Ah! Minha Dinamene! Assim deixaste

quem não deixara nunca de querer-te!

Ah! Ninfa minha, já não posso ver-te,

tão asinha esta vida desprezaste



Como já pera sempre te apartaste

de quem tão longe estava de perder-te?

Puderam estas ondas defender-te

que não visses quem tanto magoaste?

Nem falar-te somente a dura Morte

me deixou, que tão cedo o negro manto

em teus olhos deitado consentiste!

Oh mar! oh céu! oh minha escura sorte!

Que pena sentirei que valha tanto,

que inda tenha por pouco viver triste?

LuÍs de Camões (1524-1580)

Páginas

Subscrever Longe

anadolu yakası escort

bursa escort görükle escort bayan

bursa escort görükle escort

güvenilir bahis siteleri canlı bahis siteleri kaçak iddaa siteleri kaçak iddaa kaçak bahis siteleri perabet

görükle escort bursa eskort bayanlar bursa eskort bursa vip escort bursa elit escort escort vip escort alanya escort bayan antalya escort bayan bodrum escort

alanya transfer
alanya transfer
bursa kanalizasyon açma