Sentidos

Foto de Rosamares da Maia

CARTA A FERNANDO PESSOA

Rio de Janeiro, 26 de maio de 2015.

Meu Caríssimo Fernando,

Nesta manhã como em tantas outras estou solitária e feliz por desfrutar da minha própria companhia. Sim, pois pretensiosamente ou não, estar acompanhada de mim mesma é o que hoje me faz feliz. Principalmente porque estar comigo, mesmo que transitoriamente, me conduz a você.
Nesta manhã, enquanto vejo a fumaça do café galopar o ar, aguço todos os meus sentidos e lembro-me de você, como se estivéssemos compartilhando a mesma mesa, as fatias do mesmo pão. Na realidade já não como, mas, continuo alimentando-me das tuas lembranças.
Fernando,
O que seria da minha vida sem conhecer-te, sem sorver das páginas cada gota dos teus escritos? Que seria de mim se não sentisse as tuas angustias, o teu amor para além dos lusitanos mares? Se não tivesse como tu compreendido os vaticínios de D. Sebastião.
Também tenho muitas personas aprisionadas dentro de mim e, ao contrário de ti, não consigo exteriorizá-los, derramá-los no tapete do quarto e depois abrir a janela, para que voem. Fecho os meus olhos e sou como Maria José – a feia, corcunda e doente. Coitada! Sempre presa à cama, diante da janela, colhendo no orvalho da manhã as pequenas gotas dos sonhos, de seu amor platônico por Antônio.
Escrevo a você cartas, como ela – As cartas que Ele jamais leu. Maria José motivo de riso ou invisível, desabrochando na exteriorização da tua solidão e tão acompanhada de tantos outros Fernandos igualmente solitários.
O que seria de mim sem refletir como Bernardo Soares:
-" Aprender a desligar as ideias de voluptuosidade e de prazer. Aprender a gozar em tudo, não o que ele é, mas as ideias e os sonhos que provoca.
Por que nada é o que é e os sonhos sempre são os sonhos.
Para isso precisa não tocar em nada. Se tocares o teu sonho morrerá, o objeto tocado ocupara tua sensação."
"Ver e ouvir são as únicas cousas nobres que a vida contém. Os outros sentidos são plebeus e carnais."
"A única aristocracia é nunca tocar. Não se aproximar – eis o que é fidalgo"
Bernardo Soares /Fernando Pessoa – 1888-1935 – in Livro do Desassossego.

Eu como Bernardo, sou fragmento do meu primeiro eu, que diariamente vem à tona para cumprir muitos papeis que a vida impõe e cobra, mas, aqui nesta pouca solidão com a qual a manhã me privilegia, consigo fechar os meus olhos e desfrutar da tua companhia, me aproprio de ti e te ouço soprar em meu ouvido esquerdo. Meu coração se contrai e expande dentro do meu peito e uma profunda saudade se apodera dele, me levando ao mergulho em um tempo que não vivi – o tempo de te encontrar.
Vamos a Livraria Lelo & Irmão, sentamo-nos a tua mesa preferida para tomar café, comer bolinhos e pensar no Mar Português – “Ó mar salgado, quanto do teu sal / são lágrimas de Portugal!” / Valeu a pena? Tudo vale a pena / Se a alma não é pequena.”
Meu pensamento associa-se a fumaça da xícara fumegante, tomadas em dimensões de tempo e espaço tão distintas e, Maria José fecha os olhos para vida com a certeza do seu amor, porque ele foi tudo que fez valer a sua insólita passagem por este mundo; Bernardo olha e se vê em ti, a mesma imagem, mas o seu reflexo no espelho tem um olhar arguto, mais crítico e menos emocional. E é assim, cada um é o que é mesmo sendo somente a derivação de uma só “Pessoa”.
E eu te escrevo esta carta, esperando que nossa conexão de espírito não seja apenas um delírio matinal de quem ainda não acordou direito e, como tu mesmo disseste, - “ Acordaste-me, mas o sentido de ser humano é dormir.”. Mas o que escrevo-te neste momento, é para agradecer-te.
Obrigado Fernando. O que seria de mim se você não tivesse existido?
Obrigado Pessoa pelo café compartilhado aqui, na minha mesa da cozinha.

Rosamares da Maia.

Foto de Rosamares da Maia

CRÔNICAS DA SAUDADE – Nostalgia Total e Resistência Plena

Nostalgia Total e Resistência Plena

O meu coração esta preso ao passado e a minha saudade dói. Meu coração está atado aos tristes olhos azuis de Kurt e em meus ouvidos ecoam as suas melodias em meio a gritos de dor e desespero, melodias nada convencionais, cheias de agressões, injurias e pedidos de socorro. Poucos entenderam e quem entendeu não se deu ao trabalho, ou como dizem: “Não estavam nem aí”. Eram todas crianças impotentes, vivendo o desespero no mesmo diapasão. Então Kurt se cansou e pôs fim a tudo, se mandou para juntar-se ao clube dos 27.
Meus sentidos continuam presos à juventude, a beleza e aos olhos de tigre de Edie, muito mais que isto, os meus sentimentos estão presos as suas letras, a ansiedade das mensagens que pediam para que as pessoas mudassem, para que elas acreditassem que poderiam transformar o Mundo. Os meus olhos viram a sua juventude aspirada nos papelotes e a sua beleza afogada entre copos. Mas, aquela rebeldia era fundamental e acordou outros rebeldes - o tigre continuava pronto para pular do seu olhar. Todos foram tragados pela escuridão da noite enquanto covardes, como eu, preferiam encher o baú de nostalgia.
Gritei com Hetfield “Nothing Else Mather”, isto mesmo! Afinal eu também era rebelde. Covarde, mas rebelde e “nada mais importava a não ser uma nova visão”, aquela que nos libertaria, mas, o baú estava aberto e como um alçapão recolhia os nossos sonhos, recolhia o que havia de melhor em nós.
Nossos gritos, olhos e sons eram “Metal contra as nuvens” e Renato apregoava “Por Deus nunca me vi tão só / É a própria fé o que destrói / Estes são dias desleais.” Continuamos presos aos nossos ídolos, mais as suas ideias foram insucessos, eles “morreram de overdose“, desesperança e como Cazuza todos estamos assistindo os inimigos ascenderem ao poder em tristes plataformas de mentiras e cinismo. Só que na letra do poeta onde há dor há também insurgência e rebelião, por isto Renato também apregoou “Não sou escravo de ninguém / Sei o que devo defender / Sou raio, relâmpago e trovão / Quem sabe o sopro do dragão?”.
Na minha nostalgia estou presa aos olhos de Cobain, ao esplendor da juventude de Veder, a resistência consciente de Metállica, com a eloquência musical de James, recolhi a sensibilidade de Russo e a ácida inteligência do irreverente Cazuza. Aprisionei todos no imenso baú da minha nostalgia, também da minha fé, que volta e meia me recolhe, chacoalha e me liberta. Sei que eles não mudaram o Mundo, mas, conseguiram produzir outros rebeldes, até mesmo eu – covarde, mas com uma consciência que não adormeceu, com uma humanidade integra, que apesar de todas as dores estão prontas para o combate, mesmo que as armas sejam somente voz, guitarra, olhos de tigre, o rugido de um leão, ou simplesmente papel e caneta.

Rosamares da Maia – 23/01/2017.

Foto de Poetando

Quando a escrever faço amor

Quando a escrever faço amor
Falando baixo aos teus ouvidos
Que tenho tantas saudades de ti
Que mexe com todos os sentidos
A escrever-te estou abraçando
Para ti vai meu pensamento
No teu corpo estou enlaçado
Como eu te estou sentindo
Que estou em ti enlaçado
A escrever te estou beijando
Minhas mãos te fazem caricias
Desejos que me enlouquecem
Beijando-te a boca com malícia
Faço sempre amor contigo
Enquanto estou a escrever
Acariciando todo o teu corpo
Sinto que estás louca de prazer
Quando me ponho a escrever
Digo tudo o que por ti sinto
Nossa distância é um tormento
Este amar como te amo
Não sais do meu pensamento
Com a escrita eu me solto
Escrevendo digo o que por ti sinto
O quanto te estou a desejar
Amava contigo puder agora estar
Tu entre os meus braços
Contra o meu peito te apertar
Nesta minha escrita singela
Falo dos meus sonhos e desejos
Como te estou tanto amando
De te cobrir toda de beijos

De: António Candeias

Foto de Jardim

provo teu negro amor

provo teu negro amor,
teus lábios amargos
na escuridão de nosso beijo.
o espelho reflete nossos corpos nus
e o negrume que nos acompanha.

púbis clara,
lua rara,
nossa roupas
pelo chão
da sala.

teus olhos imóveis
são pedras preciosas
a comprar o vazio da cama.
uma mulher vazia de sonhos.

tua beleza,
que me fez te desejar
acabou por sublimar
as outras tantas
que já desejei
como se todas as outras
tivessem em ti se consolidado.

rosa
escarlate
banhada
no orvalho
das minhas lágrimas.
rosa a me ferir
com seus espinhos.

tua voz
branca,
descrente,
como uma anêmona
entoa num cântico profano
o desalento deste amor
numa longa e triste canção.
o espelho refletindo nossos sexos
e a triste constatação de teu olhar imóvel
como pedras preciosas
a comprar o vazio da cama.

no escuro do quarto
sinto o calor de tuas mãos
e da urgência com que gozas.
a te chupar,
a lambuzar meu rosto
com o teu suco.

a sentir os teus dedos
que me acariciam
cada um de meus sentidos entorpecidos
como o despertar de um sonho
que insiste em não terminar.

diante de teus lábios amargos
me torno tua sombra,
um cão fiel,
um obsceno fruto, teu mel
a tornar amarga a minha vida.

atmosfera escura,
lua obtusa,
acredito em tua mentira
mais uma vez: sou tua.

Poema do livro Amores Possíveis
A venda em http://sergioprof.wordpress.com
Contato:
blog: http://sergioprof.wordpress.com/
facebook: https://www.facebook.com/jardimpoeta
https://www.facebook.com/poetajardim
twitter: http://twitter.com/SERGI0_ALMEIDA
linkedin: https://www.linkedin.com/in/poeta-jardim-a7b0222b
google +: https://plus.google.com/+sergioalmeidaJardim
skoob: http://www.skoob.com.br/autor/7181-jardim

Foto de Arnault L. D.

O frio

Assim como a este dia frio
aplaco em cobertas o tremor
que resfria-me a alma no peito.
Camadas de cobertas crio,
entretanto, ainda arde a dor
do gelo... inverno que tem feito.

Minha pequena fogueira de papel,
esquenta, em palavras que incinera,
que por alguns instantes me aquece.
E a luz de sua chama, fogaréu,
imitando a um Sol, faz primavera.
Mas, logo se consome nesta prece.

A bebida forte que embriaga
também me ilude. presente calor
e semeia idéias... de estio.
Bêbado de idéias zigue-zago
nos sentidos embotados. Melhor;
que a ardência do frio... do frio...

Foto de Minha_Historia

Seus cabelos vermelhos (Criado em 22 de junho de 2016)

O vermelho simboliza a paixão
Em seus lábios esse batom vermelho afloram meus instintos
Só penso em beija lá
Seus cabelos vermelhos reluzem como a chama que arde em peito
Já não tem mais jeito
Não tem como voltar atrás
Sou capaz de cometer loucuras inimagináveis
Pra sentir o calor do seu corpo
Em um abraço bem demorado
O inverno chegou trazendo o frio
Deito pra dormir pensando em nós
Ao acordar me encanta com sua imagem
Num áudio, ouço o som da sua voz me chamar
Seu sorriso maravilhoso ilumina minhas manhãs
Oh dama de vermelho
Me olho no espelho e ja me vejo em seus braços
Ganhando os mais doces beijos
Repletos de carinho
Já não estou sozinho
Você já faz parte de mim
E nôs completamos
Em todos os sentidos

Foto de Siby

Eternos namorados

Sensibilidade no olfato,
Seu perfume está no ar,
É você que vai chegar,
Coração em sobressalto.

Momentos perfumados,
Mãos que se afagam,
Braços que se abraçam,
E doces beijos trocados.

Com todos sentidos aguçados,
E um perfume envolvente,
É de flor, cravo e rosa enlaçados.

Seu e meu perfume misturados,
Diferentes, como rosa e cravo,
Iguais, como eternos namorados.

(Siby)

Foto de Ricardo Barnabé

Esperança

Numa primavera que cimenta a tua essência
aromatizas um beijo estonteante
que perfuma o ar que vou sugando
na memória do jardim do meus sentidos,

Numa folha de papel amachucada
passas a ferro todo o teu planeamento
que se esgotou no tempo cheio
de nadas e que preencheste com o vazio.

Mas mesmo assim dançamos em círculos no destino
que escrevemos ao som de um disco riscado
pela incerteza da verdade que se extinguiu
na monotonia dos nossos gestos.

Sem que nenhum se encontrasse,
na sintonia de um desejo sincronizado pelo medo
quem em nós longamente se profetizou

E o tempo que negámos já não volta
mas as nossas voltas no tempo emaranham-se
pelos nossos lábios que não se tocam
mas que na sua memória, ainda se sentem.

Foto de Costa e Abrantes

O orgasmo

O orgasmo

Por que fingem elas ao orgasmo chegar?
O homem não tem capacidade de leva-las até lá?
Falta-nos traquejo?
Técnica ou jeito?
Ensina-nos o segredo
A mulher deve ser trabalhada
Nos sentidos mais variados e termos
Não adianta teoria e só leituras de textos
Onde está a prática?
Eis homens o segredo!

Foto de O Bardo

Simplicidade

Um pouco de Deus foi colocado em cada pessoa não só para lembrar-mos de que lugar nós viemos e para aonde voltaremos, mas sim para lembrar-mos também que você é perfeito em todos os sentidos no amor, na entrega, na doação, não apenas por ser imagem e semelhança de nosso senhor, mas por ser único, por ser a melhor pessoa que pode ser.
 Mas não aprendemos que nosso melhor! Nosso melhor que pode ser feito é o melhor que você pode fazer!
 A simplicidade é a obra mais espantosa que se pode fazer, a simplicidade é a maior perfeição que pode existir!
 Sendo assim quando pensar que você não tem nada de novo, que não pode oferecer nada para o mundo, lembre que todo ministério de Cristo foi feito na maior simplicidade porem com Muito amor, a simplicidade é a maior obra da perfeição, seja perfeito e simples, e não esqueça que a melhor obra é perfeita quando simples, pois transmite o coração e seu verdadeiro sentimento!

Páginas

Subscrever Sentidos

anadolu yakası escort

bursa escort görükle escort bayan

bursa escort görükle escort

güvenilir bahis siteleri canlı bahis siteleri kaçak iddaa siteleri kaçak iddaa kaçak bahis siteleri perabet

görükle escort bursa eskort bayanlar bursa eskort bursa vip escort bursa elit escort escort vip escort alanya escort bayan antalya escort bayan bodrum escort

alanya transfer
alanya transfer
bursa kanalizasyon açma